terça-feira, 14 de abril de 2015

Aldeia "fantasma" - Serra da Lousã

Serra da Lousã
(Março 2012)

Tantas vezes por ali tinha passado, naquele caminho, sem dar por ela, em baixo a meio da encosta.



A aldeia abandonada do Franco de Cima. As ruínas da aldeia. Já tinha ouvido falar mas nunca a descobrira. Agora, quando por ali passo torna-se óbvio. Mas, como acontece tantas vezes, o óbvio só o é depois de o ter sido pela primeira vez.


O "descobrimento" começou lá mais em baixo. Por aqui, por este vale, vamos encontrar a aldeia - disse para o meu companheiro Armando. Ele seguiu-me, passámos um ribeiro


e, percebemos que havia por ali um caminho. Seguimo-lo até darmos com os primeiros muros de pedra





Cá estava, o Franco de Cima.


As paredes de pedra das casas ainda de pé mas os telhados caídos. A vegetação cobria as ruínas



Os troncos e raízes das árvores que entravam por portas e janelas, lembrando jibóias, davam a impressão de estarmos na selva Tailandesa num qualquer tempo abandonado (é o que dá ver a National Geographic)


De súbito vem uma chuva miudinha pelo vale acima, uma "morrinha" como costuma dizer o meu pai.  Torna tudo branco e húmido. Começa por salpicar a cara e, lentamente, vai ensopando tudo.


Hora de ir embora, estava encontrado o caminho terrestre para o Franco de cima. Qual Bartolomeu Dias, pedalei dali para fora com a sensação de ter dobrado mais um cabo.

Sem comentários:

Enviar um comentário