sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Em Barcelona, às voltas, ontem. Dia 26 de Outubro de 2017. De bike

26 de Outubro de 2017
Barcelona


Tudo a correr sobre rodas. É hoje ou amanhã que se declara a independência? Hoje às cinco da tarde - diziam muitos. Hum, amanhã, murmurava o tipo do bigode. Na agenda dos afazeres profissionais, num apurado e bem negociado exercício de corte e costura, consegui um buraco de 2h. And here we go. Duas horas às voltas. Já tinha topado onde ali perto havia lojas de aluguer de "bicis". Tudo organizado. Carris (ciclovias) no meio das avenidas, semáforos para peões, bicicletas e carros, cruzamentos marcados e por aí fora. Claro que sim, há sempre espaço para a improvisação pelo meio dos passeios com cuidado (o pior foi quando, junto à Sagrada Família, tentei furar pelo meio de um grupo de Japoneses: abordado por um polícia municipal e ameaçado com uma multa de 200 euros e que ali não era uma república das bananas, claro que não, disse eu, é mais bocadillos).
Tudo a correr sobre rodas. Eu seguramente. Nas esplanadas os bocadillos e as tapas corriam garganta abaixo empurrados por umas canas. Tranquilamente a vida rodava na forma do costume. Os meus colegas catalães preocupados, inquietos mas profissionais. O que achas, perguntava-lhes. Eles, pessoas educadas, informadas e formadas que, por regra, são assertivas, respondiam como nós fazemos sobre quase tudo aqui em Portugal; encolhiam os ombros, não sabiam. Uma delas (mulher), ao meu lado durante um jantar, reduziu a disputa Madrid-Catalunha a uma equação simples: demasiada testosterona.
Todos, no entanto, falando orgulhosamente como catalães, mas sem invocarem ideias de independência, afirmavam que tal como tem sido a relação (Catalunha-Madrid) não pode continuar. Acho que percebi a coisa. Portanto, eleições (como ouvi hoje, dia 27, o Sr. D. Rajoy anunciar em Madrid com aquele ar enfastiado dele de quem não convence ninguém) para ficar tudo na mesma como dantes (autonomia com trela) não me parece que resolva alguma coisa.

Junto à Universidade foi o único local onde vi alguma agitação


A Plaza de Espana (que ironia) tudo normal



That´s my bike. Parado no semáforo. Circular de bike é uma parte integrante do sistema de transportes em Barcelona. Uma situação a 50 anos luz da decoração ciclovílica que se faz nas nossas cidades para Inglês ver.


Tinha visitado a Sagrada Família há uns anos. Um espanto. Desta vez, fosse pelos mil milhões de turistas a toda a volta, as cercas de arame por todo o lado que lembravam Guantanamo, os acabamentos a betão claro em cima do que já está edificado, o ruído, os andaimes ou outra coisa qualquer, foi muito menos emotivo. Lá tirei a fotografia da praxe do único ângulo que consegui.


Num contraste mais ou menos óbvio com a catedral icónica, outro ícone vi por lá. O expoente do narcisismo: Absolut Warhol







Provavelmente, nada ficará como dantes. Nem na Plaza de Espana em Barcelona. E quando lá voltar vamos a ver se arranjo uma bike melhor.


Última reflexão: Das Bodegas Torres mas cultivado e produzido no Chile, um vinho do outro mundo


2 comentários:

  1. Gostei tanto de Barcelona quando lá fui. A ver se fica igual, ou melhor, ou pior... A ver.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há lojas para alugar bikes por todo o lado. E "carris" para pedalar em segurança, incluindo nas principais avenidas. Quando lá voltares já sabes ... ah e o aluguer são 5 euros por dia !

      Eliminar